quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

28 de Janeiro de 2010 - Tomás de Aquino, Presbítero e Frade - 1274


Tomás de Aquino nasceu em 1224 ou 1225 no castelo de Roccaseca, perto da cidade de Aquino, no reino da Sicília (hoje parte da Itália).

Sua família era proprietária de um pequeno feudo e ligada politicamente ao imperador Frederico 2o. Tomás foi encaminhado ainda criança para o monastério de Monte Cassino, com o objetivo de seguir carreira religiosa.

Depois de nove anos, por causa de um conflito entre o imperador e o papa, ele foi tirado do monastério e enviado para a Universidade de Nápoles, onde entrou em contato com a obra de Aristóteles. Pouco depois, decidiu juntar-se à ordem mendicante dos frades dominicanos. Quando seus superiores o enviaram para a Universidade de Paris, os pais do noviço chegaram a seqüestrá-lo no caminho. Apesar de ter ficado um ano proibido de sair da propriedade da família, a vontade de Tomás prevaleceu e ele se mudou para Paris. O resto de sua vida foi bastante simples, se resumindo à atividade acadêmica, com apenas uma interrupção de alguns anos para trabalhar como conselheiro da Cúria Papal, em Roma. Já perto do fim da vida, Tomás voltou à Universidade de Nápoles, para dar aula. Sua passagem pela Universidade de Paris foi marcada por polêmicas com outros pensadores, quase sempre em torno da obra de Aristóteles.

Tomás de Aquino morreu em 1274, na abadia de Fossanova (hoje centro da Itália), onde havia se recolhido ao ficar doente durante nova viagem a Roma. Foi canonizado em 1323 e nomeado "doutor da Igreja" em 1567.

"A sabedoria é a maior perfeição da razão e sua principal função é perceber a ordem nas coisas"

Para pensar

Tomás de Aquino ressaltou o valor da razão humana e de conhecer como ela funciona, a começar pela importância de ordenar para entender. Já pensou nisso ao planejar suas aulas? Tente avaliar o interesse de ligar os conteúdos, mesmo aqueles mais abstratos (como os da Matemática), a experiências concretas anteriores. Isso é sempre possível e recomendável ou há exceções?

"O mestre provoca conhecimento ao fazer operar a razão natural do discípulo"


Oração de Santo Tomás de Aquino

Que eu chegue a Ti, Senhor, por um caminho seguro e reto (...) Que eu não deseje agradar nem receie desagradar senão a Ti.

Tudo o que passa torne-se desprezível a meus olhos por tua causa, Senhor e tudo o que te diz respeito me seja caro, mas Tu, meu Deus, mais do que o resto.

Qualquer alegria sem Ti me seja fastidiosa, e nada eu deseje fora de Ti.

Qualquer trabalho, Senhor, feito por Ti me seja agradável e insuportável aquele de que estiveres ausente.

Concede-me a graça de erguer continuamente o coração a Ti e que, quando eu caia, me arrependa.

Torna-me, Senhor meu Deus, obediente, pobre e casto; paciente, sem reclamação; humilde, sem fingimento; alegre, sem dissipação; triste, sem abatimento; reservado, sem rigidez; ativo, sem leviandade; animado pelo temor, sem desânimo; sincero, sem duplicidade; fazendo o bem sem presunção; corrigindo o próximo sem altivez; edificando-o com palavras e exemplos, sem falsidade.

Dá-me, Senhor Deus, um coração vigilante que nenhum pensamento curioso arraste para longe de Ti; um coração nobre que nenhuma afeição indigna debilite; um coração reto que nenhuma intenção equívoca desvie; um coração firme que nenhuma adversidade abale; um coração livre que nenhuma paixão subjugue.

Concede-me, Senhor meu Deus, uma inteligência que te conheça, uma vontade que te busque, uma sabedoria que te encontre, uma vida que te agrade, uma perseverança que te espere com confiança e uma confiança que te possua, enfim. Amém.


Dê-me, Senhor,
Agudeza para entender,
Capacidade para reter,
Método e faculdade para aprender
Sutileza para interpretar
Graça e abundãncia para falar


Dê-me, Senhor,
Acerto ao começar,
Direção ao progredir
E perfeição ao concluir.

São Tomás de Aquino.

Texto extraído do site: www.revjbs.com.br

Nenhum comentário: