terça-feira, 14 de dezembro de 2010

O BATISMO INFANTIL - PARTE I: INTRODUÇÃO


O assunto do batismo infantil tem suscitado inúmeros debates ao longo da historia. E não vai ser agora que o assunto será compreendido e encerrado. Muitos blogs e sites publicam artigos e postagens defendendo ou não a prática pedobatista (=batismo de crianças).

A dificuldade consiste no fato do batismo, por sua natureza, envolver profissão de fé. Através da ordenança de Cristo, a pessoa precisa confessar sua crença diante dos homens; as crianças, porém, são incapazes de fazer tal confissão. Logo, elas não são objetos apropriados do batismo.

Quem pensa assim, terá que concluir, inevitavelmente, que as crianças não fazem parte da igreja. Ora, os sacramentos pertencem aos membros da igreja; a igreja, porém, é a comunidade dos crentes que professam sua fé em Jesus Cristo; as crianças não podem exercer fé, por causa disso não podem ser membros da igreja, e, conseqüentemente, não devem ser batizados. O seguinte silogismo precisa ser aceito entre os não-pedobatistas:

  1. O batismo é um ritual eclesiástico.
  2. As crianças não podem receber o batismo. Portanto...
  3. As crianças não fazem parte da igreja.


Para justificar o batismo infantil, não basta encontrar textos bíblicos para provar a prática, muito menos encontrar subsídios históricos (mais precisamente entre os reformadores). Precisamos, sim, alcançar e autenticar um conceito de igreja que inclua os filhos de pais crentes. A palavra igreja é usada nas Escrituras e na vida em comum em muitos sentidos diferentes:

  1. Significa todo o corpo dos eleitos (Ef 5.25, onde lemos que a igreja é o corpo ou a esposa de Cristo);
  2. Significa qualquer número de crentes considerados coletivamente; ou todo número de crentes que residem em algum lugar ou região;
  3. Usada para expressar coletividade para o corpo dos crentes professos em algum lugar (ex.: Igreja de Jerusalém, Igreja de Éfeso etc.);
  4. Usada para qualquer grupo de crentes professos unidos por um padrão comum de doutrina, governo e disciplina (ex.: Igreja Presbiteriana, Igreja Batista, Igreja Pentecostal etc.);
  5. Usada para todos aqueles que professam a verdadeira religião pelo mundo inteiro, unidos pelo mesmo credo geral e pela submissão comum a Cristo.

Os problemas que podem advir da definição da palavra igreja não afeta seu sentido mais amplo, que é o de significar todo o corpo daqueles que professam a verdadeira religião, ou qualquer número dos professantes unidos com o propósito de cultuar publicamente a Cristo e exercer vigilância e cuidados mútuos.

Para compreendermos o sentido e a validade do batismo infantil, é preciso que consideremos, antes de tudo, algumas questões relacionadas com o batismo, como segue:

  1. Explicar o que é a Igreja;
  2. Explicar quem faz parte da Igreja;
  3. Explicar se Israel e a Igreja do Novo Testamento eram idênticas ou diferentes;
  4. Explicar qual era o termo de admissão para se ingressar na comunidade de Israel? Explicar quem deveria fazer parte da comunidade;
  5. Explicar qual era o termo de admissão para se ingressar na Igreja do Novo Testamento? Explicar quem deveria fazer parte da Igreja;
  6. Explicar se as crianças faziam parte da comunidade de Isarel e por quê;
  7. Explicar se as crianças eram excluídas da Igreja do Novo Testamento;
  8. Explicar se as crianças necessitam de receber os benefícios da Redenção.

Continuaremos no próximo post. Até lá.


Nenhum comentário: