quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

O BATISMO INFANTIL - PARTE IX: CONSIDERAÇÕES FINAIS


Nestes últimos meses estive acompanhando alguns debates de altíssimo nível, diga-se de passagem, sobre a questão do batismo infantil (pedobatismo). Daí me senti na obrigação de expor as minhas impressões sobre o assunto em forma de postagens aqui no blog. Abaixo estão todos os links da série "O Batismo Infantil":


1. O Batismo Infantil - Parte I: Introdução

2. O Batismo Infantil - Parte II: Igreja como uma instituição divina


3. O Batismo Infantil - Parte III: Quem faz parte da Igreja?

4. O Batismo Infantil - Parte IV: A Comunidade de Israel era a Igreja e vice-e-versa


5. O Batismo Infantil - Parte V: A Igreja do Novo Testamento é igual à Igreja do Antigo Testamento


6. O Batismo Infantil - Parte VI: As crianças eram membros da Igreja do Antigo Testamento


7. O Batismo Infantil - Parte VII: Não há nada que justifique a exclusão das crianças da membresia da Igreja


8. O Batismo Infantil - Parte VIII: As crianças necessitam e são capazes de receber os benefícios da redenção


Gostaria de encerrar esta série considerando um dos argumentos que os inimigos do pedobatismo usam para criticar esta doutrina bíblica. Eles alegam que somos "católicos" pelos simples fato de batizarmos crianças.

Ora, como eu sempre tenho dito, é preciso que tenhamo uma denifição bíblica do que seria a igreja. Definindo "igreja", podemos avançar no nosso entendimento da prática pedobatista.

1. Defininção de Igreja para os Católicos

Para a Igreja Católica, A Igreja é o povo que Deus convoca e reúne de todos os confins da Terra, para constituir a assembleia daqueles que, pela fé e pelo Baptismo, se tornam filhos de Deus, membros de Cristo e templo do Espírito Santo. Os católicos acreditam que a única Igreja fundada e encabeçada por Jesus Cristo, como sociedade constituída e organizada no mundo, subsiste na Igreja Católica, governada pelo Papa. Segundo a Tradição católica, a verdadeira igreja se encontra na terra, somente. Não existe igreja no céu. "Igreja", como conhecemos, é só aqui na terra. Então, tudo que é feito na igreja, tem resultados tão somente aqui na terra.

2. Defininção de Igreja para os Presbiterianos

Agora, veja o que diz a Confissão de Fé de Westminster, padrão doutrinário de todas as igrejas presbiterianas:

  • A Igreja Católica ou Universal, que é invisível, consta do número total dos eleitos que já foram, dos que agora são e dos que ainda serão reunidos em um só corpo sob Cristo, seu cabeça; ela é a esposa, o corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todas as coisas (cap. 25, parág. I).


Agora veja o que ela diz sobre a Igreja que está aqui na terra:

  • A Igreja Visível, que também é católica ou universal sob o Evangelho (não sendo restrita a uma nação, como antes sob a Lei) consta de todos aqueles que pelo mundo inteiro professam a verdadeira religião, juntamente com seus filhos; é o Reino do Senhor Jesus, a casa e família de Deus, fora da qual não há possibilidade ordinária de salvação (cap. 25, parág. II).


Em outras palavras, a Igreja Visível é a igreja aqui na terra; a Igreja Invisível é a totalidade dos eleitos que já morreram, que vivem e que ainda serão convertidos.

3. E os Sacramentos?

Com isso em mente, as crianças são batizadas para se tornarem parte da igreja visível. Um indivíduo pode fazer parte da igreja invisível, sem ter participado da igreja visível (ver o caso do ladrão na cruz que se arrependeu sem ser batizado, e que por isso fez parte da igreja invisível, sem fazer parte da visível). Como também alguém pode fazer parte da igreja visível, sem fazer parte da invisível (ver Mt 7.22,23). Nem todos os que ouvem o Evangelho e pertencem à Igreja visível serão salvos, mas unicamente aqueles que são membros verdadeiros da Igreja invisível. Essa é a diferença entre nós e os católicos.

  • A esta Igreja Católica Visível Cristo deu o ministério, os oráculos e as ordenanças de Deus [Sacramentos do batismo e da Ceia], para congregamento e aperfeiçoamento dos santos nesta vida, até o fim do mundo, e pela sua própria presença e pelo seu Espírito, os torna eficazes para esse fim, segundo a sua promessa (Confissão de Fé de Westminster, cap. 25, parág. III).

  • O Batismo não deve ser administrado aos que estão fora da Igreja Visível, e assim estranhos aos pactos da promessa, enquanto não professarem a sua fé em Cristo e obediência a Ele; porém as crianças, cujos pais, ou um só deles, professarem fé em Cristo e obediência a ele, estão, quanto a isto, dentro do pacto e devem se batizadas (Catecismo Maior de Westminster, perg. 166).



De acordo com o que vimos, o batismo é um ritual referente à igreja na terra (visível) e não à igreja como o corpo total dos eleitos (invisível). O Batismo não garante ninguém na igreja invisível, até porque não será o sacramento que salvará as crianças, mas simplesmente a obra de Cristo, que não leva em consideração a faixa etária! Quanto mais eu!!!

Ninguém pode afirmar que o batismo infantil dos presbiterianos garante a salvação das crianças, pois é um ritual de iniciação na Igreja Visível. Os pais dos filhos crentes crêem que seus filhos fazem parte da Igreja Invisível, e que por isso, merecem receber todos os benefícios da redenção de Cristo, caso contrário serão tidos por ímpios e estranhos à família de Deus.

Os batistas, e todos os antipedobatistas, demonstram que suas crianças não fazem parte da igreja visível, quando o próprio Deus demonstrou interesse em que todos fizessem parte da igreja aqui na terra. Ou você acha que Deus "aceita" alguém fora de sua comunhão aqui na terra só porque acredita que faz parte da igreja invisível? A recomendação da Bíblia é "não deixemos de congregar-nos..." (Hb 10.25).


Nenhum comentário: